5.2.09

Flor de Lótus



A flor de Lótus é venerada na Índia e no Japão como símbolo da espiritualidade; a semente de Lótus pode, por exemplo, ficar 100 anos sem água, somente esperando a condição ideal de umidade pra germinar. Ela nasce na lama e só se abre quando atinge a superfície, onde só então mostra suas luminosas e imaculadas pétalas, que são autolimpantes, isto é, têm a propriedade de repelir microrganismos e poeiras. É também a única planta que regula seu calor interno, mantendo-o por volta de 35º, a mesma temperatura do corpo humano. O botão da flor tem a forma de um coração, e suas pétalas não caem quando a flor morre, apenas secam. O conhecimento espiritual supremo é comparado ao florescimento do Lótus de mil pétalas no topo da cabeça, como é chamada a expansão do chakra coronário.

Um símbolo de pureza espiritual e do centro sagrado, o lótus aberto era considerado sagrado tanto no budismo quanto no hinduismo. O botão representava fertilidade e potencial. No antigo Egito, esta flor simbolizava o sol e a ressurreição do deus Hórus. Ela era tão sagrada que e encontrada pintada e esculpida nos templos e nas tumbas.

Na Índia, a deusa hindu Lakshmi e relacionada com o lótus. Quando associada a Lakshmi, esta flor simboliza o yoni ou útero da criação. Muitas divindades hindus são retratadas sentadas sobre o lótus, que neste caso representa a divindade e o espírito.